O regramento permanente da aposentadoria por idade após reforma da previdência.

Inicialmente, salienta-se que o presente artigo circunscreve-se ao exame das regras permanentes aprovadas no bojo da reforma previdenciária (EC. 103/19) no âmbito da aposentadoria por idade.

É fundamental a compreensão de que a reforma previdenciária se divide em dois grandes blocos: as regras de natureza permanente e as regras de natureza transitória. As regras permanentes se encontram fundamentalmente nos artigos 1 e 2 da reforma, enquanto as regras de natureza transitória concentram-se no artigo 3º e seguintes.

Dessa forma, antes de ser adentrado o mérito do presente artigo, é importante salientar que para os segurados já filiados ao regime previdenciário antes da aprovação da reforma (12/11/2019), aplica-se a regra de natureza transitória para a aposentadoria por idade, sendo preservados todos os requisitos da legislação anterior, com uma única exceção.

Neste sentido, a reforma da previdência preservou os requisitos legais para aqueles que já contribuíam por ocasião de sua entrada em vigor. A única distinção encontrada é que a norma constitucional refere-se a 15 (quinze) anos de contribuição, e não a 180 meses de carência, como o regramento anterior.

Veja-se:

Art. 18. O segurado de que trata o inciso Ido § 7º do art. 201 da Constituição Federal filiado ao Regime Geral de Previdência Social até a data de entrada em vigor desta Emenda Constitucional poderá aposentar-se quando preencher, cumulativamente, os seguintes requisitos:

I – 60 (sessenta) anos de idade, se mulher, e 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem; e

II – 15 (quinze) anos de contribuição, para ambos os sexos.

  • 1º A partir de 1º de janeiro de 2020, a idade de 60 (sessenta) anos da mulher, prevista no inciso I do caput, será acrescida em 6 (seis) meses a cada ano, até atingir 62 (sessenta e dois) anos de idade.

  • 2º O valor da aposentadoria de que trata este artigo será apurado na forma da lei.

Mais uma vez, se verifica a existência de um regramento progressivo, dessa forma exclusivo para mulheres. Com efeito, a partir de 1º de janeiro de 2020, a idade para aposentação da mulher aumentará 6 (seis) meses a cada ano, até o alcance de 62 (sessenta e dois) anos de idade.

Logo, a progressão pode ser parametrizada da seguinte forma:

2020: 60,5 anos;

2021: 61 anos;

2022: 61,5 anos;

2023: 62 anos;

Regramento permanente.

No que toca ao regramento permanente, a matéria encontra-se insculpida no artigo 201, §7º, da Reforma Previdenciária. Veja-se:

I – 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e 62 (sessenta e dois) anos de idade, se mulher, observado tempo mínimo de contribuição;          (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)

II – 60 (sessenta) anos de idade, se homem, e 55 (cinquenta e cinco) anos de idade, se mulher, para os trabalhadores rurais e para os que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, nestes incluídos o produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal.             (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)

Conforme se verifica, no âmbito do regramento permanente, a aposentadoria por idade passa a apresentar a exigência de um tempo de contribuição, sendo a regra geral a exigência de 65 (sessenta e cinco) anos de idade, para homem, e 62 (sessenta e dois) anos de idade, para mulheres.

Até que a lei específica discipline o tempo mínimo de contribuição exigido pelo regramento geral, aplica-se o artigo 19 da Emenda Constitucional 103, que prevê a exigência de 20 anos de contribuição, se homem, e 15 anos de contribuição, se mulher.

Portanto, este é o regramento permanente: idade de 65 (sessenta e cinco anos) para homem e 62 (sessenta e dois) anos para mulheres, bem como o tempo de contribuição de 20 ou 15 anos, conforme o gênero.

Ademais, este regramento apenas será aplicável aos filiados ao regime após a promulgação da reforma. Para todos os outros, aplica-se o regramento de transição disposto acima.

É importante ressaltar que os trabalhadores rurais e aqueles que desempenham suas atividades em regime de economia familiar, como produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal fazem jus a aposentadoria por idade quando completarem 60 (sessenta) anos de idade, se homem, e 55 (cinquenta e cinco) anos de idade, se mulher, sendo desnecessário o cumprimento do requisito do tempo de contribuição.

Por fim, resta destacar que os professores terão o requisito da idade reduzido em 5 (cinco) anos, estando excluídos os professores da educação superior.

About Author: Adelmo Dias Ribeiro

adelmodiasr@gmail.com

Advogado especialista em liminar judicial na área da saúde e da previdência. Toda a sua carreira foi centrada na resolução ágil de problemas jurídicos. Especialista em Saúde, Previdência, Direito Processual Civil, Direito Tributário. Formou-se na Universidade Federal da Bahia. Realiza patrocínio de mais de 700 ações judiciais ao long do Brasil. Inscrito na OAB/SP, OAB/BA e OAB/SC.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*